Reflexões sobre conceitos e definições atinentes ao turismo envolvendo comunidades indígenas

Sandra Dalila Corbari, Miguel Bahl, Silvana do Rocio de Souza

Resumen

O turismo foi fortemente influenciado pelo modelo Fordista de produção e consumo, porém na década de 1980 surgiu o Pós-Fordismo, impactando também nessa atividade. Surgiram, assim, diversos “novos turismos” em que se promoviam experiências autênticas, dentre eles o turismo cultural, o turismo étnico, o “turismo indígena” e o turismo em áreas indígenas. Desse modo, com a presente pesquisa buscou-se, através da análise bibliográfica, explorar as especificidades desses tipos e segmentos turísticos que permeiam a relação entre o turismo e as comunidades indígenas. Verificou-se com a pesquisa que os investigadores adotam diversos tipos de conceitos para cada tipo de turismo, evidenciando uma diferenciação, porém ao mesmo tempo uma inter-relação entre eles. Por constatarem-se as diferenças existentes de conceituação, foi proposta uma divisão dos segmentos, conforme características descritas pelos autores. Tal divisão foi apresentada em forma de esquema e também discorrida textualmente. Compreende-se que a discussão conceitual é importante para a construção da teoria sobre o turismo, mas também para o próprio entendimento de suas especificidades.

Palabras clave

Turismo e sociedade; Turismo étnico indígena; Comunidades indígenas; Conceituação

Referencias


Araújo, G. P. de; Gelbcke, D. L. (2008). Turismo comunitário: uma perspectiva ética e educativa de desenvolvimento. Turismo Visão e Ação, 10(3), 358-377. Disponível em: <http://www6.univali.br/seer/index.php/rtva/article/view/770/625>. Consultado em: 01/04/2016.

Baggio, A. J. (2007). Ecoturismo: alternativa sustentável de valorização do patrimônio natural e cultural da Terra Indígena Mangueirinha, PR. (Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais Aplicadas). Universidade Estadual de Ponta Grossa. Ponta Grossa, Brasil. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cp043493.pdf>. Consultado em: 04/03/2016.

Bahl, M. (2003). Conteúdos culturais e naturais em roteiros turísticos versus artificialismo induzido. In M. Bahl (Org.). Turismo: enfoques teóricos e práticos (pp. 141-148). São Paulo: Roca.

Bahl, M. (2009). Dimensão cultural do turismo étnico. In A. P. Netto, e M. G. dos R. Ansarah, (Eds.). Segmentação do mercado turístico (121-140). Barueri: Manole.

Barretto, M. (2005). Turismo étnico y tradiciones inventadas. In A. Santana Talavera e L. Prats Canals (Coords.). El encuentro del turismo con el patrimonio cultural: concepciones teóricas y modelos de aplicación (pp. 39-56). Sevilla: FAAEE- Fundación El Monte.

Brasil. (1973, 21 de dezembro). Lei n. 6.001, de 19 de dezembro de 1973. Dispõe sobre o Estatuto do Índio. Diário Oficial da União, seção 1. Disponível en: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6001.htm>. Consultado em: 28/11/2015.

Brasil. (1988, 5 de outubro). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Consultado em: 04/07/2015.

Brasil. (1996, 9 de janeiro). Decreto n. 1.775, de 8 de janeiro de 1996. Dispõe sobre o procedimento administrativo de demarcação das terras indígenas e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D1775.htm>. Consultado em: 29/11/2015.

Bunten, A. C. (2014). Deriding demand: indigenous imaginaries in tourism. In N. B.Salazar e N. H. H. Graburn (Eds), Tourism imaginaries: anthropological approaches (pp. 80-102) New York, NY: Berghan.

CAPES - Cooperação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (2015). Banco de teses. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/ component/content/article?id=2164>. Consultado em: 26/11/2015.

Chaves, R. P. R. (2012). O turismo étnico em comunidades indígenas n Brasil: a Reserva Pataxó da Jaqueira e o Parque Indígena do Xingu. In R. H. Asensio e B. Pérez Galán (Eds.). ¿El turismo es cosa de pobres? Patrimonio cultural, pueblos indígenas y nuevas formas de turismo en América Latina (pp. 115-129). El Sauzal, Tenerife: ACA y PASOS, RTPC. Disponível em: <http://www.pasosonline.org/Publicados/pasosoedita/PSEdita8.pdf>. Consultado em: 01/04/2016.

Costa, F. R. (2009). Turismo e patrimônio cultural: interpretação e qualificação. São Paulo: SENAC.

Faria, I. F. de. (2005). Ecoturismo: etnodesenvolvimento e inclusão social no Amazonas. PASOS Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 3(1), 63-77. Disponível em: <http://www.pasosonline.org/Publicados/3105/PS040105.pdf>. Consultado em: 28/02/2016.

Faria, I. F. de. (2008). Ecoturismo indígena – território, sustentabilidade, multiculturalismo: princípios para a autonomia. (Tese de Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, Brasil. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8135/tde-17022011-095412/pt-br.php>. Consultado em: 30/03/2016.

Fortunato, R. A. e Silva, L. S. (2013). Os conflitos em torno do Turismo Comunitário na Prainha do Canto Verde (CE). Revista Brasileira de Ecoturismo, 6(1), 123-138. Disponível em: <http://www.sbecotur.org.br/rbecotur/seer/index.php/ecoturismo/article/view/481/418>. Consultado em: 28/03/2016.

Graburn, N. (1992). Turismo: el viaje al sagrado, In V. L. Smith, Pardo, J., e Martínez-Lage (Trad.), Anfitriones e invitados: antropologia del turismo (pp. 45-68). Madrid: Endymion.

Graburn, N. (2009). Antropologia ou Antropologias do Turismo? In R. de A. Grünewald; N. Graburn,; M. Barretto; C. A.; Steil e R. J. dos Santos (Orgs.). Turismo e antropologia: novas abordagens (pp. 13- 52). São Paulo: Papirus.

Greenwood, D. J. (1992). La cultura al peso: perspectiva antropológica del turismo en tanto proceso de mercantilizacion cultural. In V. L. Smith (Ed), Pardo, J., e Martínez-Lage (Trad.), Anfitriones e invitados: antropologia del turismo (pp. 257-279). Madrid: Endymion.

Grünewald, R. de A. (1999). Os “Índios do Descobrimento”: tradição e turismo. (Tese de Doutorado em Antropologia Social). Universidade Federal do Rio de Janeiro/Museu Nacional, Rio de Janeiro. Disponível em: <http://indiosnonordeste.com.br/wpcontent/uploads/2012/08/TESE-SOBRE-OS-PATAX%C3%93-BAHIA.pdf>. Consultado em: 04/11/2015.

Grünewald, R. de A. (2002). Tourism and cultural revival. Annals of Tourism Research, 29(4), 1004 – 1021.

Guimarães, R. G. (2006). Turismo em terras indígenas já é fato: quem se arrisca? Revista Dialogando no Turismo, 1, 15-42. Disponível em: <http://www.rosana.unesp.br/revista/documentos/v1n1a2.pdf>. Consultado em: 01/04/2016.

Harkin, M. (1995). Modernist anthropology and tourism of the authentic. Annals of Tourism Research, 22(3), 650-670.

Harvey, D. (1996). Condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola.

Hinch, T.D. e Butler, R (1996). Introduction. In R. Butler e Tom Hinch (Eds.). Tourism and indigenous peoples (pp. 1-14). Thomson: Londres.

Hinch, T. D. (2004). Indigenous people and tourism. In C.Lew; M. Hall; A. M. Williams, (Eds). A companion to tourism (pp. 246-258). Malden, MA: Blackwell.

Jesus, D. J. de. (2012). A (re)tradicionalização dos territórios indígenas pelo turismo: um estudo comparativo entre os Kadiwéu (Mato Grosso do Sul- BR) e Maori (Ilha Norte - NZ). (Tese de Doutorado em Geografia). Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Brasil. Disponível em: <http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/handle/1884/27396/R%20-%20T%20-%20JESUS,%20DJANIRES%20LAGEANO%20DE.pdf?sequence=1>. Consultado em: 04/03/2016.

Lac, F. (2004). O turismo e os Kaingang na Terra Indígena de Iraí/RS. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Brasil. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cp029037.pdf>. Consultado em 30/03/2016.

Lacerda, M. A. (2004). Perspectivas de desenvolvimento local entre os Terena, na Aldeia Urbana Marçal de Souza, em Campo Grande – MS: a opção pelo etnoturismo. (Dissertação de Mestrado). Universidade Católica Dom Bosco. Campo Grande, Brasil. Disponível em: <http://site.ucdb.br/public/md-dissertacoes/7946-perspectivas-de-desenvolvimento-local-entre-os-terena-na-aldeia-urbana-marcal-de-souza-em-campo-grande-ms-a-opcao-pelo-etnoturismo.pdf>. Consultado em: 30/03/2016.

Leandro, E. L. (2011). Ecoturismo indígena e gestão territorial, contribuições participativas da terra indígena Paiterey Karah (Sete de Setembro). (Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Rondônia. Porto Velho, Brasil.

Lei n. 6.001, de 19 de dezembro de 1973. (1973, 21 de dezembro). Dispõe sobre o Estatuto do Índio. Diário Oficial da União, seção 1. Disponible en: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6001.htm>. Consultado em: 28/02/2016.

López Pardo, G.; Palomino Villavicencio, B. (2008). Politicas públicas y ecoturismo en comunidades indígenas de México. Teoria y Praxis, 5, 33-50. Disponível em: <http://www.teoriaypraxis.uqroo.mx/doctos/Numero5/Lopez-Palomino.pdf>. Consultado em: 26/03/2016.

Lustosa, I. M. C. (2012). Os povos indígenas, o turismo e o território: um olhar sobre os Tremembé e os Jenipapo-Kanindé do Ceará. (Tese de Doutorado em Geografia). Universidade Federal de Goiás. Goiânia, Brasil. Disponível em: <http://www.academicoo.com/artigo/os-povos-indigenas-o-turismo-e-o-territorio-um-olharsobre-os-tremembe-e-os-jenipapo-kaninde-do-ceara/>. Consultado em: 04/12/2015.

Martínez Cobo, J. R. (1986). Study of the problem of discrimination against indigenous populations. ( No. UN-Document E/CN. 4 Sub.). New York, NY: United Nations. Sub-commission on Prevention of Discrimination and Protection of Minorities. Disponível em: <http://undesadspd.org/IndigenousPeoples/LibraryDocuments/Mart%C3%ADnezCoboStudy.aspx>. Consultado em: 07/11/2015.

Molina, S. (2003). O pós-turismo. São Paulo: ALEPH.

Morales González, M. (2008) ¿Etnoturismo o turismo indígena? Teoría y Praxis, 5, 123-136. Disponível em: <http://www.teoriaypraxis.uqroo.mx/doctos/Numero5/Morales.pdf>. Consultado em: 30/03/2016.

Neves, S. C. (2012). A apropriação indígena do turismo: os Pataxó de Coroa Vermelha e a expressão da tradição. (Tese de Doutorado em Antropologia). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia. Salvador, Brasil.

Nunes, R. G. A. (2006). O turismo como prática social em território indígena: uma análise comparativa entre a Reserva Indígena de Dourados-MS e a aldeia Puiwa Poho em Feliz Natal-MT. (Dissertação de Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Aquidauana, Brasil. Disponível em: <http://livros01.livrosgratis.com.br/cp120114.pdf>. Consultado em: 02/02/2016.

OIT - Organização Internacional do Trabalho (2011). Convenção n° 169 sobre povos indígenas e tribais e Resolução referente à ação da OIT. Brasília: OIT. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/baixaFcdAnexo.do?id=3764>. Consultado em: 28/06/2015.<http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-04062007-160917/pt-br.php>. Consultado em: 30/11/2015.

Oliveira, A. M. de e Jesus, D. L. de. (2010). Territórios étnicos: narrativas de um processo participativo para o desenvolvimento da atividade turística. Cultur, Revista de Cultura e Turismo, 4(1), 59-75. Disponível em: <http://www.uesc.br/revistas/culturaeturismo/edicao7/artigo_5.pdf>. Consultado em: 30/03/2016.

Oliveira, V. M. de. (2006). Turismo, território e modernidade: um estudo da população indígena Krahô, Estado do Tocantins (Amazônia Legal Brasileira). (Tese de Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, Brasil. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-04062007-160917/pt-br.php>. Consultado em: 30/03/2016.

ONU - Organização das Nações Unidas. (1996). Actividades normativas: evolucion de las normas relativas a los derechos de los pueblos indígenas. Documento de trabajo de la Relatora Especial Erica-Irene A. Daes sobre el concepto de Pueblos Indígenas. ( No. E/CN.4/Sub.2/AC.4/1996/2). New York: United Nations. Commision of Human Rights. Disponível em: <http://daccess-dds-ny.un.org/doc/UNDOC/GEN/G96/129/83/PDF/G9612983.pdf?OpenElement>. Consultado em: 28/02/2016.

Palomino Villavicencio, B.e López Pardo, G. (2011). Ecoturismo indígena en Quintana Roo, Mexico - Estudio de caso Kantemo. Encontros Científicos - Tourism & Management Studies, n. Extra 1 (Proceedings International Conference Tourism & Management Studies 2011), Algarve, 990-998. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5018499>. Consultado em:14/03/2016.

Pereiro Pérez, X. (2009). Turismo cultural: uma visão antropológica. El Sauzal, Tenerife: ACA y PASOS, RTPC. Disponível em: <http://www.pasosonline.org/Publicados/pasosoedita/PSEdita2.pdf>. Consultado em: 30/03/2016.

Pereiro Pérez, X. (2014). Reflexión antropológica sobre el turismo indígena. Desacatos, v. 47(),18-35. Disponível em: <http://www.scielo.org.mx/pdf/desacatos/n47/n47a2.pdf>. Consultado em: 14/03/2016.

Pereiro Pérez, X.; Leon, C. de; Martínez Mauri, M.; Ventocilla, J. e Del Valle, Y. (2012). Los turistores Kunas: antropología del turismo étnico en Panamá. Palma, Espanha: Universitat de lês Illes Balears. Disponível em: <https://www.yumpu.com/es/document/view/23354980/los-turistores-kunas-antropologia-del-turismo-etnico-en-panama>. Consultado em: 01/04/2016.

Ramos, K. V. (2008). A construção do espaço turístico: trocas simbólicas entre turistas e comunidade Tupinambá em Olivença (Ilhéus – BA). ( Dissertação de Mestrado em Turismo e Cultura). Universidade Estadual de Santa Cruz/ Universidade Federal da Bahia. Ilhéus, Brasil. Disponível em: <http://www.uesc.br/cursos/pos_graduacao/mestrado/turismo/dissertacao/karen_ramos_pdf.pdf>. Consultado em: 04/03/2016.

Ribeiro, D. (1957). Línguas e culturas indígenas do Brasil. Rio de Janeiro: Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais.

Ryan, C. (2005). Introduction: tourist-host nexus - research considerations. In C. Ryan e M. Aicken (Eds.). Indigenous tourism: the commoditificacion and management of culture (pp. 1-11). Oxford: Elsevier.

Sampaio, C. A. C.; Fernandes, V. e Philippi Junior, A. (2010). Planejamento e gestão de turismo comunitário sustentável: metodologia PEC e SiGOS. In A. Philippi Junior e D. V. de M. Ruschmann, (Eds.). Gestão ambiental e sustentabilidade no turismo (pp. 151-171). Barueri, SP: Manole.

Santana Talavera, A. (2003). Turismo cultural, culturas turísticas. Horizontes Antropológicos, 9(20),31-57. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ha/v9n20/v9n20a02.pdf>. Consultado em: 30/03/2016.

Santos, L. C. (2010). Sahu-Apé e o turismo em Terras e comunidades indígenas. 255 p. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social), Universidade Federal do Amazonas, Manaus, Disponível em: <http://www.ppgas.ufam.edu.br/attachments/article/31/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20-%20Luciano%20Cardenes%20-%20Sahu-Ap%C3%A9.pdf>. Consultado em: 04/07/2015.

Smith, M. K. (2003). Issues in Cultural Tourism Studies. London: Routledge.

Smith, V. L. (1992). Introducción. In V. L. Smith (Ed), Pardo, J., e Martínez-Lage (Trad.), Anfitriones e invitados: antropologia del turismo. M. Madrid: Endymion.

Smith, V. L. (1996). Indigenous Tourism: The Four Hs. In R. Butler y T. Hinch (Eds.). Tourism and Indigenous Peoples (pp. 283-307). London: International Thomson.

Swain, M. B. (1992). Roles de genero en el turismo indigenista: las molas de los Kunas, Kuna Yala y la supervivencia cultural. In V. L. Smith (Ed), Pardo, J., e Martínez-Lage (Trad.), Anfitriones e invitados: antropologia del turismo (pp. 139-169). Madrid: Endymion.

Swarbrooke, J. e Horner, S. (2011). O comportamento do consumidor no turismo. São Paulo: Aleph.

Thomson-Carr, A. (2013). Mãori Tourism: A Case Study of managing indigenous cultural values. In M. Smith y G. Richards (Eds.). The routledge handbook of cultural tourism (pp. 227-235). Londres: Routledge.

Torres, R. (2002). Cancun’s tourism development from a Fordist spectrum of analysis. Tourism Studies, 2(1), 87–116.

van den Berghe, P. L. (1995). Marketing Mayas: Ethnic tourism promotion in Mexico. Annals of Tourism Research, 22(3), 568-588.

van den Berghe, P. e Keyes, C. F. (1984). Introduction tourism and re-created ethnicity. Annals of Tourism Research, 11(3), 343-352.

Zeppel, H. (2006). Indigenous ecotourism: sustainable development and management. (3 Ed.) Cambridge: Kabi. Ecotourism Series.




DOI: https://doi.org/10.14198/INTURI2016.12.03



Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.