Representaciones sociales sobre el desarrollo del turismo en tierras indígenas Terena

Izac de Oliveira Belino Bonfim, Sandra Dalila Corbari, Julio da Costa Mendes, Bernadete Dias Serqueira

DOI: https://doi.org/10.14198/INTURI2022.23.14

Resumen

Las Tierras Indígenas (TI) son porciones territoriales que, luego de pasar por un proceso administrativo de demarcación, garantizan la posesión y usufructo de las tierras, por parte de una o más comunidades indígenas. En estos territorios se pueden realizar distintas actividades económicas, incluido el desarrollo del turismo. Este estudio tiene como objetivo, comprender las representaciones sociales (RS) de la sociedad de Aquidauana (Brasil), involucrada directa o indirectamente con la insipiente actividad turística existente en las TIs del pueblo Terena y su potencial desarrollo.  Para la realización de la investigación se elegieron diferentes procedimientos metodológicos. En la investigación se utilizaron fuentes bibliográficas primarias y secundarias y se estableció contacto con la Terena a través de la observación directa no estructurada, em las TI Limão Verde y Taunay / Ipegue, incluyendo también áreas retomadas. Además, se realizaron entrevistas dialogadas com actores sociales no indígenas del área urbana y rural de Aquidauana. Para el tratamiento de la RS se utilizó la metodología de análisis del Discurso Colectivo del Sujeto (CSD). Se concluye, que los entrevistados han encubierto el racismo y otros prejuicios. Como consecuencia, existe incredulidad en la capacidad de las comunidades Terena para gestionar el turismo en sus tierras.


Palabras clave

Representación social; Terena; Turismo en Tierras Indígenas

Texto completo:

PDF Estadísticas

Referencias

Acçolini, G. (2007). Uniedas: o cotidiano de uma igreja protestante entre os índios Terena. Revista Eletrônica História em Reflexão, 1(2), 1-14, Recuperado de https://tinyurl.com/ybmccx52.

Adam, P. y Herzlich, C. (1994). Sociologie da la Maladie et de Médecine. Paris (FRA): Natham Université.

Alexandre, M. (2004). Representação Social: uma genealogia do conceito. Comum, 10(23),122-138.

Araújo, G. P. y Gelbcke, D. L. (2008). Turismo Comunitário: Uma perspectiva ética e educativa de desenvolvimento. Revista Turismo Visão e Ação, 10(3), 357-378, DOI: 10.14210/rtva.v10n3.p358-377.

Baltazar. P. (2010). O processo decisório dos Terena. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), São Paulo (BRA).

Bessa Freire, J. R. (2016). Museus Indígenas, Museus Etnográficos e a Representação dos Índios no Imaginário Nacional: o que o museu tem a ver com educação? En M. X. Cury (Org.). Museus e Indígenas: saberes e ética, novos paradigmas em debate (pp. 33-38). São Paulo (BRA): Secretaria da Cultura; ACAM Portinari; Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo.

Bittencourt, C. M. y Ladeira, M. E. (2000). A história do povo Terena. Brasília (BRA): MEC.

Bourdieu, P. (2002). Entrevista por Maria André de Loyola. Rio de Janeiro (BRA), EDUERJ.

Bourdieu, P. (1983). Questões de sociologia. Rio de Janeiro (BRA), Marco Zero.

Cañada. E. (2010). Perspectivas del turismo comunitario: como mantener vivas las comunidades rurales. Revista Pueblos, 41. Recuperado de https://tinyurl.com/y9lyrrteh.

Cardoso, M. H. C. A. y Gomes, R. (2000). Representações Sociais e História: Referenciais Teórico-Metodológicos para o campo da saúde coletiva. Cadernos de Saúde Pública, 16(2), 499-506. DOI: 10.1590/S0102-311X2000000200020.

Cardoso. W. D. (2004). Aldeia Indígena de Limão Verde: escola, comunidade e desenvolvimento local. Dissertação de Mestrado, Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande (BRA).

Castro, E. V. (2006). No Brasil, todo mundo é índio, exceto quem não é. En B. Ricardo y F. Ricardo (Org.). Povos indígenas no Brasil: 2001-2005 (pp. 41-49). São Paulo (BRA): Instituto Socioambiental.

Chartier, R. (1990). A História Cultural. Entre Práticas e Representações. Lisboa (POR): Difel.

Cepial. (2015). Os Povos Indígenas na América Latina: avanços na última década e os desafios pendentes para a garantia de seus direitos. Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe. Santiago (CHL): Cepial.

Conselho do Povo Terena. (2011). Assembléia do Povo Terena de Taunay-Ipegue. Aquidauana (BRA): CIMI. Recuperado de https://tinyurl.com/yc6vrfmf.

Conselho do Povo Terena. (2017). Documento final da 10º Grande Assembleia do Povo Terena. Dois Irmãos do Buriti (BRA): Conselho Terena. Recuperado de https://tinyurl.com/yclyu6dd.

Conselho do Povo Terena (2019). Carta de Ipegue: documento final da 13º Assembleia Terena. Aquidauana (BRA): Conselho do Povo Terena/Apib. Recuperado de https://tinyurl.com/y8yqf3oj.

Corbari, S. D., Bahl, M. y Souza, S. R. (2017). Legislação Indigenista e Perspectivas para o Turismo em Terras Indígenas no Brasil. Revista Turismo em Análise, 28(1), 53-70. DOI: 10.11606/issn.1984-4867.v28i1p53-70.

Costa, S. P. y Sanaglio, K. E. (2014). Análise das Representações Sociais dos comerciantes ambulantes e suas implicações no planejamento turístico. PASOS. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 12(1), 123-136. DOI: 10.25145/j.pasos.2014.12.009.

Decreto n. 1.775, de 8 de janeiro de 1996 (1996). Dispõe sobre o procedimento administrativo de demarcação das terras indígenas e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (BRA).

Decreto n.5.051, de 19 de abril de 2004. (2004). Promulga a Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho - OIT sobre Povos Indígenas e Tribais. Diário Oficial da União, Brasília (BRA).

Fernandes, V. B. y Souza, M. C. C. C. (2016). Identidade Negra entre exclusão e liberdade. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, 63, 103-120. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i63p103-120

Ferreira, C. (1995). Estilos de vida, práticas e representações sociais dos termalistas. O caso das termas da Curia. Revista Crítica de Ciências Sociais, 43, 93-122. Recuperado de http://hdl.handle.net/10316/10893.

Ferreira, A. C. (2009). Políticas para Fronteira, História e Identidade: a luta simbólica nos processos de demarcação de terras indígenas Terena. Mana, 15(2), 377-410. DOI: 10.1590/S0104-93132009000200003.

Funai. Fundação Nacional do Índio. MS – Violência econômica e territorial contra o Povo Terena. Mapa de conflitos envolvendo injustiça ambiental e saúde no Brasil. Fundação Oswaldo Cruz. Recuperado de https://tinyurl.com/y7s5khxj.

Good, B. y Good, M. D. (1993) Learning medicine: The constructing of medical knowlegde at Havard Medical School. En S. Lindenbaum y M. Locke (Ed.). Knowlegde, Power and Practice (pp. 81-107). Los Angeles (USA): University of California Press.

Grunewald, R. A. (2015). Turismo na Terra Indígena Pataxó de Coroa Vermelha: imperialismo e pós-colonialidade na região do Descobrimento do Brasil. PASOS. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 13(2), 411-424. Recuperado de https://tinyurl.com/yb5wxmyp.

Guareschi, P.y Jovchelovitch, S. (1994). Textos em Representações Sociais. (4 ed.). Petrópolis (BRA): Editora Vozes.

Guimarães, L. A. M. y Grubits, S. (2007). Alcoolismo e violência em etnias indígenas: uma visão crítica da situação brasileira. Psicologia & Sociedade, 19(1), 45-51.

Gudynas, E. (2011a). Los derechos de la Naturaleza en sério: respuetas y aportes desde la ecología política. En A. Acosta y E. Martínez (Coord.). La Naturaleza com derechos: de la filosofia a la política (pp. 239-258). Quito (ECU): AbyaYala/Universidad Politécnica Salesiana.

Gudynas, E. (2011b). Debates sobre el desarrollo y sus alternativas en latinoamerica: una breve guía heterodoxa. En M. Lang y D. Mokrani (Org.). Más Allá del Dessarollo - Grupo Permanente de Trabajo sobre Alternativas al Desarrollo (pp. 21-54). Cidade do México (MEX): Fundação Rosa Luxemburg/Abya Yala.

Herzlich, C. (1992). Santé et Maladie: Analyse d'une Représation Sociale. Paris (FRA): Éditons de L'ehess.

IBGE (2010). Indígenas - Censo 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Recuperado de https://indigenas.ibge.gov.br/.

ISA (2019). Fazer amigos, proteger territórios: conheça cinco iniciativas de turismo em Terras Indígenas. Instituto Socioambiental. Recuperado de https://www.socioambiental.org/pt-br/noticias-socioambientais/fazer-amigos-proteger-territorios-conheca-5-iniciativas-de-turismo-em-terras-indigenas

ISA (2020). Terras Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental. Recuperado de https://terrasindigenas.org.br.

Instrução Normativa 003, de 11 de junho de 2015 (2015). Estabelece normas e diretrizes relativas às atividades de visitação para fins turísticos em terras indígenas. Brasília: Funai. Recuperado de https://www.gov.br/funai/ptbr/arquivos/conteudo/ascom/2015/doc/jun-06/in-03-2015.pdf

Langdon, E. J. (2001). O que beber, como beber e quando beber: o contexto sociocultural no alcoolismo entre as populações indígenas. En D. A. Noleto (Ed.). Seminário sobre alcoolismo e vulnerabilidade às DST/AIDS entre os povos indígenas da Macrorregião Sul, Sudeste e Mato Grosso do Sul, Brasília, 2000 (pp. 83-97). Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/021anais_seminario.pdf#page=83.

Lefèvre, F. y Lefèvre, A. M. C. (2003). Pesquisa de Representação Social. Brasília (BRA): Liberlivro.

Lefèvre, F., Lefèvre, A. M. C., y Marques, M. C. C. (2009). Discurso do Sujeito Coletivo, complexidade e auto-organização. Cien Saude Colet, 14(4), 1193-1204. DOI: 10.1590/S1413-81232009000400025.

Lei n. 601, de 18 de setembro de 1850. (1850). Dispõe sobre as terras devolutas do Império. Coleção de Leis do Império do Brasil (CLBR).

Lima, M. E. O. y Almeida, A. M. M. (2010). Representações sociais construídas sobre os índios em Sergipe: ausência e invisibilização. Paideia, 20(45), 17-27. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/paideia/v20n45/a04v20n45.pdf.

Maldonado, C. (2006). Turismo y comunidades indígenas: impactos pautas para autoevaluacíon y códigos de conducta. Genebra (SUI): SEED.

Milanez, F., Sá, L., Krenak, A., Cruz, F., Urbano, E., y Pataxó, G. S. (2019). Existência e diferença: o racismo contra os povos indígenas. Revista Direito Práxis, 10(3), 2161-2181. DOI: 10.1590/2179-8966/2019/43886.

Morera, J. A., Padilha, M. I., Silva, D. G., y Sapag, J. (2015). Aspectos Teóricos e Metodológicos das Representações Sociais. Texto Contexto Enfermagem, 24(4), 1157-1165. DOI: 10.1590/0104-0707201500003440014.

Morris, D. B. (1998). Illness and Culture in the Postmodern Age. Berkeley/Los Angeles (USA)/London (ENG): University of California Press.

Moscovici, S. (1976). A Representação social da psicanálise. Rio de Janeiro (BRA), Zahar.

Moscovici, S. (1961). La Psychanalyse son image et son public (2 ed.) Paris (FRA): PUF.

Moscovici, S. (2003). O Fenômeno das Representações Sociais. En S. Moscovici (Ed.), Representações Sociais: investigações em psicologia social (pp. 29-109). Petrópolis (BRA): Vozes.

Moscovici, S. (2012). A psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis (BRA): Editora Vozes.

Neves, S. C. (2015). A Domesticação do Turismo: estratégias Pataxó na relação com agentes e agências de turismo em Coroa Vermelha. PASOS. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 13(3), 567-580. Recuperado de http://www.pasosonline.org/Publicados/13315/PASOS42.pdf#page=129

OBSTUR (2020). Fluxo de Passageiros. Observatório de Turismo de Mato Grosso do Sul. Recuperado de encurtador.com.br/eipq2.

Oliveira, J. E. (2016). Conflitos pela posse de terras indígenas em Mato Grosso do Sul. Ciência e Cultura, 68(4), 4-5. DOI: 10.21800/2317-66602016000400002.

Paiol. (s. d.). Etnias. Recuperado de https://lojapaiol.com.br/etnias/.

Pereiro, X. (2013). Los efectos del turismo en las culturas indígenas de América Latina, Revista Española de Antropología Americana, 43(1), 155-174. DOI: 10.5209/rev_REAA.2013.v43.nl.42308.

Pereiro, X. (2016). A review of Indigenous tourism in Latin America: reflections on an anthropological study of Guna tourism (Panama). Journal of Sustainable Tourism, 24(8-9), 1121-1138. DOI:10.1080/09669582.2016.1189924.

Portaria n. 389, de 9 de mio de 2013. (2013). Cria o Programa de Bolsa Permanência e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (BRA). Recuperado de https://tinyurl.com/ybpsbhlf.

Reis, S. L. A.y Bellini, M. (2001). Representações Sociais: Teoria, Procedimentos Metodológicos e Educação Ambiental. Revista Educação Ambiental e Ação, 37(10). Recuperado de http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=1081.

Reigota, M. (2002). Meio Ambiente e Representação Social (5. ed.) São Paulo: Cortez.

Robbins, P. (2012). Political ecology: a critical introduction. Malden (USA): Wiley-Blackwell.

Rocha Filho, J. F. (2010). No ritmo das águas, na cadência da boiadas. A inserção do turismo nas fazendas de criação extensiva de gado bovino no Pantanal de Aquidauana/MS. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo (BRA).

Sampaio, C. C. (2005). Turismo como fenômeno humano: princípios para se pensar a socioeconomia e sua prática sob a denominação turismo comunitário. Santa Cruz do Sul (BRA): EDUNISC.

Souza, E. P., Martins, S. R. O., y Araújo, A. P. C. (2011). Fronteira Etnocultural e Desenvolvimento Rural: o produto turístico “trem do pantanal” no Distrito de Taunay. Acta Geográfica, 5(10), 37-53. DOI: 10.5654/actageo2011.0510.0003.

Trevisol, J. V. (2004). Os Professores e a Educação Ambiental: um estudo de representações sociais em docentes das Séries Iniciais do Ensino Fundamental. Papers II Encontro do Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade (Anppas). São Paulo (BRA).

Trevisol, J. V. y Socolovski, M. (2000). Meio Ambiente e Educação Ambiental: um estudo de representações sociais em professores da rede municipal de ensino de Campos Novos – SC. Revista Roteiro, Joaçaba (BRA), 24 (44), 27-56.

UFMS. (2018). El Proyecto Turismo en Tierras Indígenas se llevó a cabo con éxito en CPAQ. Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. Recuperado de https://www.ufms.br/projeto-turismo-em-terras-indigenas-foi-realizado-com-sucesso-no-cpaq/.

Palomino-Villavicenzio, B., Gasca Zamora, J. y López Pardo, G. (2016). El turismo comunitario en la Sierra Norte de Oaxaca: perspectivas desde las instituciones y la gobernanza en territorios indígenas. El Periplo Sustentable, 30, 6-37. Recuperado de https://tinyurl.com/yby87cl4.

Williams, R. (1990) A Protestant Legacy: Attitudes to Death and Illness Among Older Aberdonians. Oxford (ENG): Clarendon Press.

Ximenes, l. G., y Pereira, L. M. (2017). O território terena: da expropriação e formação das reservas ao movimento das Retomadas. Mediações - Revista de Ciências Sociais, 22(2), 24-50. Recuperado https://tinyurl.com/yaobvlxv.




DOI: https://doi.org/10.14198/INTURI2022.23.14





Copyright (c) 2022 Izac de Oliveira Belino Bonfim, Sandra Dalila Corbari, Julio da Costa Mendes, Bernadete Dias Serqueira

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.